sábado, 30 de janeiro de 2010

O que pode ser feito?

Pobre coitado vive a procurar sua mãe em todos os rostos possíveis. Nenhum deles lhe reflete ao que seria bom. Alguns talvez, mas como de praxe, lhe deixaram órfão. Andarilho dos sonhos e vontades. Sem opções, apenas escolhas, difícil, mas também prazeroso. Mártir, diferente, culto inculto, maturo imaturo, pequeno, minúsculo, inotável. Elas lhe possuem, mas ele nunca as possui. Sensível insensível, triste feliz, sorridente tristonho. Paradoxo das características, mistura das ações, filho de tudo que lhe foi feito. Bem por natureza, sacrifícios por instinto, talvez desconhecido, talvez almejado, ou quem sabe mais pra um "tanto faz". Sonhos demais, vontades demais, desejos demais, expectativas demais, decepções demais, corações partidos demais, forças demais, fraquezas demais. Exagerado. Prescindível pra tantos, fuga como única chance, vontade da plenitude. Ídolos iguais, mortes indecifráveis, misterioso, simples complexo. Abandonado quase sempre. Ainda igual.


Desejaríamos que isso nunca acabasse. Desejaríamos viver mais um pouco. Só mais um pouco. Depois deixaria a porta aberta caso quisessem os tomar. Desculpas. As lições às vezes deixam de ensinar e passam a frustrar..

2 comentários:

  1. nem sempre deixar a porta aberta é um boa opção (:

    beijas fii :*

    ResponderExcluir